domingo, 19 de março de 2017

Porque não devemos seguir as tradições judaicas 2

Porque não devemos seguir as tradições judaicas 2


Compilado e Adaptado por Yossef Leandro
 
Qual a origem do Judaísmo? Onde nas Escrituras vejo algo relacionados aos judeus? E quando faço essas indagações não me refiro ao termo "Judeu" que achamos aos montes nas traduções bíblicas, nessa segunda parte desse estudo que levei 4 longos anos para continuar, veremos historicamente quem são os judeus e sua origem, vamos analisar uma entrevista concedida pelo historiador Shlomo Sand em 2008 ao Jornal Israelita Haaretz.

  • Quando e como é que o povo judeu foi inventado!



O historiador Shlomo Sand afirma que a existência das diásporas do Mediterrâneo e da Europa Central é o resultado de antigas conversões ao judaísmo. Para ele, o exílio do povo judeu é um mito, nascido de uma reconstrução a posterior e sem fundamento histórico.

Shlomo Sand nasceu em 1946 em Linz (Áustria) e viveu os dois primeiros anos da sua vida em campos de refugiados judeus na Alemanha. Em 1948 os seus pais migraram para Israel, onde cresceu. Cursou História, tendo começado na Universidade de Tel-Avive e terminado na Escola de Altos Estudos em Ciências Sociais de Paris. Desde 1985 leciona História Contemporânea na Universidade de Tel-Avive. Publicou em francês «L'Illusion du politique.
Georges Sorel et le débat intellectuel 1900 » (La Découverte, 1984), «Georges Sorel en son temps», com J. Julliard (Seuil, 1985), «Le XXe siècle à l'écran» (Seuil, 2004) e «Les mots et la terre. Les intellectuels en Israël» (Fayard, 2006).



Jornal Israelita Haaretz - 21/03/2008

Demolindo uma "Mitologia nacional"






Artigo de Ofri Ilani

Tradução por
Atrida

Entre a profusão de heróis nacionais que o povo de Israel produziu ao longo de gerações, a sorte não sorriu a Dahia Al-Kahina que chefiou os Berberes de Aures, na África do Norte. Embora tendo sido uma judia indomável, poucos yisraelitas ouviram alguma vez o nome desta rainha guerreira que, no século VII da era cristã, unificou várias tribos berberes e chegou mesmo a repelir o exército muçulmano que invadiu o norte de África. A razão poderá estar no facto de Dahia Al-Kahina ter nascido numa tribo berbere convertida (ao judaísmo), ao que parece várias gerações antes do seu nascimento, por volta do século VI. 
Segundo o historiador Shlomo Sand, autor do livro «Quando e como é que o povo judeu foi inventado» [Quand et comment le peuple juif a-t-il été inventé?] (aux éditions Resling - em hebraico), a tribo da rainha Dahia Al-Kahina assim como outras tribos do Norte de África convertidas ao judaísmo são a principal origem a partir da qual se desenvolveu o judaísmo sefardita. Esta afirmação, referente às origens dos judeus do Norte de África a partir de tribos locais que foram convertidas – e não a partir de exilados de Jerusalém – é apenas uma componente de uma ampla tese desenvolvida na nova obra de Sand, professor do departamento de História da Universidade de Telavive.

Neste livro, Sand tenta demonstrar que os judeus que vivem hoje em Israel e noutros locais do mundo, não são de forma nenhuma os descendentes do antigo povo que vivia no reino de Yehudah (Judeia) na época do primeiro e segundo templo. Eles devem a sua origem, segundo ele, a povos diversos que se converteram ao longo da história em diversos locais da bacia do Mediterrâneo e regiões vizinhas. Não apenas os judeus da África do Norte descenderiam na sua maior parte de pagãos convertidos, mas também os judeus iemenitas (vestígios do reino Himiarita, no sul na península arábica, que se convertera ao judaísmo no século IV), e os judeus Asquenazes da Europa de Leste (refugiados do reino Khazar convertido ao judaísmo no século VIII). Ao contrário de outros «novos historiadores» que procuraram abalar as convenções da historiografia sionista, Shlomo Sand não se contenta em regressar a 1948 ou aos princípios do sionismo, mas remonta a milhares de anos atrás. Shlomo tenta provar que o povo judeu nunca existiu como um «povo-raça» partilhando uma origem comum, mas que é uma multitude variada de grupos humanos que, em momentos diferentes da história, adotaram a religião judaica. Segundo Shlomo, para alguns pensadores sionistas, esta concepção mítica dos judeus como um povo antigo conduz a um pensamento verdadeiramente racista: «Existiram na Europa períodos onde, se alguém tivesse declarado que todos os judeus pertenciam a um povo de origem não judia, essa pessoa seria julgada imediatamente como anti-semita. Hoje, se alguém ousa sugerir que aqueles que são considerados judeus no mundo (…) nunca constituíram e não constituem nem um povo nem uma nação, seria imediatamente denunciado como uma pessoa que odeia Israel.»
De acordo com Shlomo Sand, a descrição dos judeus como um povo de exilados, errante e mantendo-se à parte, que «vagueando sobre mares e terras, chegaram ao fim do mundo e que, finalmente, com a chegada do sionismo, fazem meia-volta para retornar em massa à sua terra órfã», esta descrição é necessariamente  uma «mitologia nacional». Tanto como outros movimentos nacionais na Europa, que revisitaram uma suntuosa idade de ouro para em seguida, graças a ela, fabricar o seu passado heroico – por exemplo, a Grécia clássica ou as tribos teutônicas – a fim de provar que eles existiam há muito, «tal como, os primeiros brotos do nacionalismo judeu se viraram para essa luz intensa cuja fonte era o reino mitológico de David.»

Mas então, quando é que o povo judeu foi realmente inventado, segundo a tese de Sand? «Na Alemanha do século dezenove, num determinado momento, os intelectuais de origem judaica, influenciados pelo caráter 'volkiste' do nacionalismo alemão, atribuíram-se a missão de fabricar um povo "retrospectivamente", com o desejo de criar uma nação judaica moderna. A partir do historiador Heinrich Graetz, os intelectuais judeus começam a delinear a história do judaísmo como a história de um povo que tinha um carácter nacional, que se tornou um povo errante e que finalmente fez meia-volta para regressar à sua pátria.»



Entrevista a Shlomo Sand conduzida por Ofri Ilani:

Ofri: De facto, o essencial do seu livro não trata da invenção do povo judeu pelo nacionalismo moderno mas da questão de saber de onde vêm os judeus.

Shlomo: O meu projeto inicial consistia na análise de uma categoria específica de materiais historiográficos modernos e examinar como foi inventada a ficção do povo judeu. Mas assim que comecei a confrontar as fontes históricas deparei-me com contradições. E foi isso que me impeliu: embrenhei-me no trabalho sem saber a que conclusões chegaria. Analisei documentos originais de modo a examinar a atitude de autores antigos - aquilo que haviam escrito a propósito da conversão.

Shlomo Sand, historiador do século XX, tinha até agora estudado a história intelectual da França moderna (no seu livro “L'intellectuel, la vérité et le pouvoir“ [O intelectual, a verdade e o poder], Am Oved ed. , 2000 - em hebraico), e a relação entre o cinema e a história política («Le cinéma comme Histoire» ["O cinema como História] Am Oved, 2002 – em hebraico). De forma pouco comum para historiadores de profissão, ele debruça-se, no seu novo livro, sobre os períodos que ele nunca tinha estudado - geralmente apoiando-se em pesquisadores anteriores que têm avançado com posições não ortodoxas sobre as origens dos judeus.


Ofri: Especialistas da história do povo judeu afirmam que você se ocupa de temas que não compreende e que se baseia em autores que não consegue ler no texto original.

Shlomo: É um fato que sou um historiador da França e da Europa, e não da Antiguidade. Sabia que assim que me ocupasse de períodos antigos como esses, ficaria exposto a críticas assassinas vindas de historiadores especializados nesses campos de estudo. Mas disse a mim próprio que não me poderia apoiar apenas em material historiográfico moderno sem examinar os fatos que esse material descreve. Se não o tivesse feito eu próprio, teria sido necessário esperar o tempo de uma geração. Se tivesse continuado a trabalhar sobre França, talvez tivesse obtido uma cátedra na universidade e uma glória provincial. Mas tinha decidido renunciar à glória.

«Após o povo ter sido exilado à força da sua própria terra, permaneceu-lhe fiel em todos os países da sua dispersão e não cessou de orar e esperar o seu regresso à terra para aí restaurar a sua liberdade política»: eis o que afirma o preâmbulo da Declaração de Independência [de Israel]. É também a citação que abre o terceiro capítulo do livro de Shlomo Sand "A Invenção da Diáspora". De acordo com Sand, nunca existiu o exílio do povo judeu de sua própria terra.
«O paradigma supremo do exílio era necessário para que se construísse uma memória de longo prazo na qual um povo/raça imaginário e exilado é colocado na continuação direta do "Povo do Livro" que o antecedeu», Sand explica. Sob a influência de outros historiadores que se debruçaram nos últimos tempos sobre esta questão, ele afirma que o exílio do povo judeu é, na origem, um mito cristão, que descreve o exílio como uma punição divina castigando os judeus pelo pecado de terem rejeitado o evangelho cristão.

Comecei a procurar livros sobre o exílio – um acontecimento fundado na História Judaica - quase como o genocídio; mas, para meu grande espanto, descobri que não existia literatura sobre o tema. O motivo é que ninguém exilou um povo desta terra. Os Romanos não deportaram povos e não o poderiam ter feito mesmo que o pretendessem. Não tinham nem comboios nem caminhões para poder deportar populações inteiras. Uma logística dessas não existiu antes do século XX. Foi, de fato, a partir daí que surgiu o meu livro: da compreensão que a sociedade judaica não tinha sido dispersa nem exilada.


Ofri: Se o povo não foi exilado, está na realidade a afirmar que os verdadeiros descendentes dos habitantes do reino da Judeia são os Palestinianos.

Shlomo: Nenhuma população se mantém pura ao longo de um período de milhares de anos. Mas a possibilidade de que os Palestinianos sejam os descendentes do antigo povo da Judeia são bastante maiores que a possibilidade que você ou eu [ambos judeus] o sejamos. Os primeiros sionistas, até à insurreição árabe [1936-1939], sabiam que não existira nenhum exílio e que os Palestinianos eram os descendentes dos habitantes da região. Eles sabiam que os camponeses não partem de um local a não ser que sejam expulsos. Até Yitzhak Ben Zvi, o segundo presidente do Estado de Israel, escreveu em 1929 que "a grande maioria dos fellahs (camponeses árabes) não são originários dos invasores árabes mas, muito antes disso, dos fellahs judeus que constituíam a maioria da região".


Ofri: E como é que milhões de judeus apareceram à volta do Mediterrâneo?

Shlomo: O povo não se disseminou, foi a religião judaica que se propagou. O judaísmo era uma religião prosélita (que convertia outras pessoas à sua religião). Contrariamente ao que se pensa, no judaísmo antigo exista uma vontade muito forte de converter. Os Hasmoneanos foram os primeiros a começar a criar grande número de judeus por meio de conversões massivas, sob a influência do helenismo. São estas conversões, desde a revolta dos Hasmoneanos até à de Bar Kochba, que prepararam o terreno para a posterior difusão massiva do Cristianismo. Após o triunfo do Cristianismo, no século IV, o movimento de conversão ao judaísmo foi travado no mundo cristão e houve uma diminuição brutal do número de judeus. Pode-se supor que muitos judeus convertidos na zona mediterrânica se tenham tornado cristãos. Então, o judaísmo começa a difundir-se noutras regiões pagãs - por exemplo, no Iémen e no norte de África. Se isto não tivesse sucedido - se o judaísmo não se tivesse continuado a converter no mundo pagão – teria ficado uma religião completamente marginal, se é que não teria mesmo desaparecido.


Ofri: Como é que chegou à conclusão que os judeus do Norte de África são descendentes de Berberes convertidos?

Shlomo: Interroguei-me por que razão comunidades judaicas tão importantes podiam ter surgido em Espanha. Reparei então que Tariq Ibn-Ziyad, comandante supremo dos muçulmanos que invadiram a Espanha, era berbere e que a maioria dos seus soldados eram também berberes. O reino berbere judeu de Dahia Al-Kahina fora vencido apenas 15 anos antes. E a verdade é que há diversas fontes cristãs que declaram que muitos de entre os invasores de Espanha eram convertidos ao judaísmo. A origem da grande comunidade judaica de Espanha eram estes soldados berberes convertidos ao judaísmo.

Segundo Sand, o contributo demográfico mais decisivo para a população judaica no mundo deu-se na sequência da conversão do reino khazar - o vasto império estabelecido na Idade Média nas estepes circundantes do rio Volga e que, no auge do seu poder, dominava desde a atual Geórgia até Kiev. No século VIII os reis khazares adotaram a religião judaica e fizeram do hebreu a língua escrita do reino. A partir do século X o reino estava já enfraquecido e no século XIII foi derrotado em toda a linha pelos invasores mongóis e o destino da sua população judaica perde-se então nas brumas.



Shlomo Sand revisita a hipótese, já avançada por historiadores dos séculos XIX e XX, segundo a qual os khazares convertidos ao judaísmo seriam a principal origem das comunidades judaicas da Europa de Leste: «No início do século XX há uma grande concentração de judeus na Europa de Leste; só na Polônia são três milhões», afirma. «A historiografia sionista pretende que a sua origem provém da comunidade judaica mais antiga da Alemanha, mas essa historiografia não explica por que motivo o reduzido número de judeus originários da Europa Ocidental - de Mainz e Worms - pôde fundar o povo yiddish da Europa de Leste; na verdade, os judeus da Europa de Leste são uma mistura de khazares e eslavos rechaçados para Ocidente


Ofri: Se os judeus da Europa de Leste não são originários da Alemanha porque é que falavam yiddish, que é uma língua germânica?

Shlomo: Os judeus, a leste, formavam um grupo que dependia da burguesia alemã e foi dessa forma que adotaram palavras alemãs. Aqui, apoio-me nas investigações do linguista Paul Wechsler, da Universidade de Telavive, que demonstrou que não existe ligação etimológica entre a língua judaica alemã da Idade Média e o yiddish. O Rabi Yitzhak Bar Levinson, já em 1928, dizia que a antiga língua dos judeus não era o yiddish. Até Ben Tzion Dinour, pai da historiografia israelense, não tinha problemas em apontar os khazares como a origem dos judeus da Europa de Leste, descrevendo a Khazaria como a "mãe das comunidades de exílio" na Europa de Leste. No entanto, desde 1967 que qualquer pessoa que fale dos khazares como sendo os antepassados dos judeus da Europa de Leste é encarado como bizarro e delirante.


Ofri: Na sua opinião, porque é que a ideia de uma origem khazar é tão ameaçadora?

Shlomo: É evidente que o receio se prende com a contestação do direito histórico sobre esta terra [Israel]. Revelar que os judeus não vieram da Judeia parece reduzir a legitimidade da nossa presença aqui. Desde o início do período de descolonização, os colonos não podem vir simplesmente dizer: «viemos, vencemos e agora somos daqui» - como também afirmaram os americanos, os brancos da África do Sul e os australianos. Existe um receio profundo que seja posta em causa o nosso direito à existência.

Ofri: E esse receio não tem fundamento?

Shlomo: Não. Não creio que o mito histórico do exílio e da errância seja a origem da minha legitimidade em estar aqui [em Israel]. Para mim é indiferente saber que sou de origem khazar. Não receio este abalar da nossa existência pois penso que a natureza do Estado de Israel ameaça de forma bem mais grave a sua existência. O que pode fundar a nossa existência aqui não são direitos históricos mitológicos mas o facto de virmos a estabelecer aqui uma sociedade aberta, uma sociedade do conjunto de todos os cidadãos israelenses.

Ofri: No fundo, afirma que não existe um povo judeu.
Shlomo: Não reconheço um povo judeu internacional. Reconheço um "povo yiddich" que existia na Europa de Leste, que não é uma nação mas onde é possível ver uma civilização yiddish com uma cultura popular moderna. Penso que o nacionalismo judeu se desenvolveu a partir desta base yiddish. Reconheço igualmente a existência de uma nação israelense e não contesto o seu direito à soberania. Mas o sionismo, tal como o nacionalismo árabe ao longo dos anos, não estão preparados para o reconhecer.

Do ponto de vista do sionismo, este Estado não pertence aos seus cidadãos, mas sim ao povo judeu. Reconheço uma definição de Nação: um grupo humano que pretende viver de forma soberana. Mas a maioria dos judeus em todo o mundo não quer viver no Estado de Israel, apesar de nada os impedir a que o façam. Assim, não se pode ver neles uma nação.


Ofri: O que é que existe de perigoso no facto de os judeus imaginarem que pertencem a um só povo? Por que razão isso seria errado?

Shlomo: No discurso israelense sobre as suas raízes existe uma dose de perversão. É um discurso etnocêntrico, biológico, genético. Mas Israel não tem existência como estado judaico: se Israel não se desenvolve e se transforma numa sociedade aberta e multicultural, teremos um Kosovo na Galileia. A consciência de um direito sobre este local deve ser mais flexível e variada e se eu contribuí com este livro para que eu próprio e os meus filhos possamos viver aqui com os outros, neste Estado, numa situação mais igualitária, terei feito a minha parte.

Devemos começar a trabalhar duramente para transformar este local que é o nosso numa república israelense, onde nem a origem étnica nem a crença serão pertinentes à luz da lei. Quem conhece as jovens elites entre os árabes de Israel pode constatar que eles não concordam em viver num Estado que proclama que não é o seu. Se fosse palestiniano rebelar-me-ia contra um tal Estado, mas é também como israelense que me rebelo contra este Estado.



Ofri: A questão que se põe é saber se, para chegar a tais conclusões, seria necessário ir até ao reino dos Khazars e ao Reino Himiarita.

Shlomo: Não escondo que sinto um grande incômodo em viver numa sociedade em que os princípios nacionais que a dirigem são perigosos e que esse incômodo serviu de motor para a minha pesquisa. Sou cidadão deste país mas também sou historiador e, enquanto historiador, tenho obrigação de escrever a História e de examinar os textos. Foi isso que fiz.

Ofri: Se o mito do sionismo é o mito do povo judeu que retornou do exílio a esta terra, qual será o mito do Estado que imagina?

Shlomo: Um mito de futuro é, a meu ver, preferível a mitologias do passado e de se fechar em si próprio. Para os americanos, e também para os europeus de hoje, o que justifica a existência de uma Nação é a promessa de uma sociedade aberta, avançada e opulenta. Os condimentos israelense existem mas há que lhes acrescentar, por exemplo, festas que reúnam todos os israelenses. Reduzir um pouco os dias comemorativos e acrescentar dias consagrados ao futuro. E também, por exemplo, acrescentar uma hora para comemorar a Nakba (literalmente, a "catástrofe" – o termo palestiniano para aquilo que aconteceu quando Israel foi fundado], entre o Dia do Senhor e o Dia da Independência. (fim da entrevista)



Através dos vários materiais históricos podemos claramente perceber que os judeus não são os verdadeiros descendentes de Avraham, o povo do livro. Vejamos um pouco mais da historia que fizeram de tudo para esconder de você, abra os olhos e fica alerta...

   

  • Conhecendo o Reino dos Khazares

Extraído do livro Arthur Koestler (A Décima-Terceira Tribo) 










"Mil anos antes do estabelecimento do moderno Estado de Israel, existia um reino judeu na margem oriental da Europa, situado entre os rios Volga e Don ..." Assim começa a tese de um autor judeu Kevin Alan Brook.
 
O reino a qual ele se refere logo a primeira vista parece ser composto por "mitos" e, curiosamente, atualmente as informação são facto histórico provavél e estudo mais aprofundado sobre este reino, conhecido como Khazaria, ou o Reino dos Khazars, revela claramente grandes evidências históricas, muitas das quais só veio a luz nas últimas três a cinco décadas. Este reino misterioso, que tem esculpido nosso mundo moderno a um espantoso e preocupante nivel, ocupou uma imensa área de mais de um milhão de quadrados de extensão que vai da parte ocidental da Hungria / Áustria Leste Aural ao mar, ao norte do Alto Volga, e sua região até ao sul da Montanha do Cáucaso entre os mares Cáspio e Negro. Considerado literalmente o maior país do planeta.

Foi citado apenas nas últimas 5 décadas, porém, a maior evidência documentada a partir de antigos manuscritos veio à luz e revelou a espantosa e verdadeira história deste antigo reino e a sua ligação às origens do moderno Israel. Embora esse assunto pouco conhecido para o Ocidente, e, até mesmo à aqueles que ocupam atualmente a sua terra ancestral, o reino Khazar, foi responsável pela elaboração substancial da história e da paisagem política da Europa e especificamente na Ásia Ocidental, mas também em certo grau notável a totalidade dos acontecimentos humanos neste planeta.

"A história do Império Khazar, uma vez que emerge lentamente do passado, começa a dar sinais de que foi o golpe (trote) mais cruel já perpetuado na história". Palavras do historiador Arthur Koestler, autor de A Décima Terceira Tribo.
 
Esta é a história de um reino de beligerantes, bélicos nômades Caucasianos, que nada tem tem a ver com os descendentes Yisraelitas.  Os Khazares adotaram o Judaísmo Talmúdico, tornando-se o dominante e praticamente o único – a vigorar atualmente - no vigésimo primeiro século- o Judaísmo internacional.

A partir das próximas linhas iremos mostrar fatos comprobatórios que desmitificarão toda e qualquer duvida acerca de quem são e de quem descendem os judeus, já estamos de antemão deixando totalmente claro que o material não tem nenhum cunho antissionista, o nosso único e exclusivo objetivo é conduzir alguns ao conhecimento de fatos que não são divulgados pela mídia sensacionalista e vendida, queremos tão somente mostrar aquilo que é real e importante para o despertar de Yisrael. Que o Eterno cumpra o seu querer através de nós e desperte o seu povo!   

Uma perspectiva histórica
 
Pouco depois da morte de Maomé em 632 dC, de acordo com o Professor da Universidade Columbia DM Dunlop, exércitos árabes iniciaram uma campanha em direção ao norte, varrendo " destroços dos dois impérios e transportando tudo até que atingiram a grande barreira montanhosa do Cáucaso.
Uma vez que ultrapassaram esta barreira, "Dunlop observa," o caminho foi aberto para se fixarem nas terras do leste da Europa. " 2 . Caso o califate (os exércitos do califa muçulmano) não tivesse contestado com aquele imenso geológico dissuador, a história da Europa e na verdade, o resto do mundo judaico-cristão não teria sido a mesma.

Foi no Cáucaso, no entanto, que os árabes encontraram os Khazars, iniciando uma guerra que durou mais de um século e efetivamente impediram a Europa de se tornar islâmica. Os Khazars eram tão poderosos, social e militar, que, Kevin Alan Brook refere-se em sua sua obra Os judeus da Khazaria, que Constantine Porphyrogenitus, Imperador dos bizantinos [Império Romano] do séc.10, enviou correspondência para o Khazars marcados com um selo ouro no valor de 3 solidi - mais do que os 2 solidi que sempre acompanhavam as cartas ao papa de Roma, ao príncipe da Rus, e ao príncipe dos húngaros ". 3

Professor Pedro Golden da Rutgers University referido por K.A.Brook como "uma das principais autoridades sobre o Khazars", escreveu, " a cada aluno no ocidente tem sido ensinado que se não fosse Charles Martel e a batalha dos Poitiers no lugar de Notre Dame com certeza estaria atualmente uma Mesquita. O que poucos alunos sabem "Golden enfatiza," é que se não fossem os Khazars ......a Europa Oriental poderia muito bem ter-se tornado uma província Islãmica. " 4

As forças montadas Khazarianas, um exército composto principalmente por Turcos e de origem pagã, quando necessário demonstravam uma desastrosa ferocidade e crueldade contra os inimigos da Khazaria. Eles também eram provavelmente os mais disciplinados, e estrategicamente o mais potente poder marcial , daquela época e naquela região. As provas de que eles calculavam minuciosamente a abordagem para questões internacionais estabelece o fato de que, em contraste com a sua brutalidade, os oficiais Khazars eram enviados frequentemente como emissários diplomáticos e mediadores para todos os fins político em torno da Khazaria. (dai podemos entender como foi desenvolvido o krav maga em contrate com a diplomacia política judaica) O Khazars e seu império nessa altura eram altamente respeitados e temidos e com razão.

No auge de seu império, acredita-se que o Khazars tinham um exército que enumerava pra mais de cem mil e controlavam ou exigiam tributos, surpreendentemente a mais de trinta diferentes nações e tribos que habitavam o vasto território entre o Cáucaso, o Mar Aral, os Urais e as estepes ucranianos. Durante o seu zénite, Khazaria dominava completamente as terras que atualmente são conhecidas como Astrakhan, Kalmykia, Daguestão, Volgogrado, Rostov, Inguchétia, Kabardino-Balkarsk, Ossétia do Norte, e da Chechénia. "Na sua máxima extensão (no século IX)", declara Brook. "Khazaria não só englobava o norte do Cáucaso e do Volga delta, mas também se alargou até o extremo ocidental Kiev [Rússia]".

O arqueólogo Soviético MI Artamonov afirma que, durante um século e meio, os Khazars eram os mestres supremos da metade sul da Europa Oriental e apresentavam um baluarte praticamente impenetrável, bloqueando os Urais Cáspio, a porta de entrada da Ásia para a Europa. Durante todo esse período, eles travaram violentas batalhas com as tribos nômades do Oriente. Até recentemente, uma grande parte do problema com o histórico da antiga e obscura Khazaria estabelecia o fato de que a área geográfica do país fazia parte da União Soviética, insistência essa que foi feita pela interpretação erronea de dados arqueológicos ", no âmbito do materialismo histórico marxista." Esta versão do revisionismo histórico da Cortina de Ferro causou com que os soviéticos interpretassen esses dados, de tal forma como são apresentados fatos que acabaram de ser concluídos , mas... errado. Esta peculiar e obscura raça que habitava aquele território foram descritos como de olhos azuis e de compleição muito clara. Com longos cabelos avermelhados, grande estatura e de semblante selvagem. Outras fontes adicionaram observações de que existiam " Khazars pretos" e "Khazars brancos", observando que este último era " de boa aparência“, enquanto que os primeiros eram de pele escura".

No entanto, esta conclusão bastante refutada pelos estudiosos que estabeleceram que a distinção não era racial, mas social. O "Preto" ou "Kara" Khazars constituíram o estrato inferior ou casta, enquanto o "Branco" ou "AK" Khazars compunham a classe nobre ou real. Este tipo de distinção de classe era bastante comum no Leste da Europa tal como evidenciado pelos termos muito conhecido como:" russia negra" e " Russia branca", indicando não a cor da pele, mas a classe social. Em seu livro Uma Introdução à História dos povos Turcos, Peter Dourado afirma que os chineses T'and-shu em sua crônica descreve os Khazars, genericamente, como "... de porte alto, cabelos avermelhados (ruivos), feições claras e olhos azuis. cabelo preto era considerado um mau presságio."
 
O KHAZARS e as guerras conquistadas.

Da ferocidade guerreira e tendências do Khazars não existem muitas dúvidas e sim bastante evidências históricas, tudo isso aponta para uma raça de pessoas tão violenta em suas relações com os companheiros que eles eram temidos e terrificavam todos os povos daquela região do mundo. 

O cronista árabe Ibn al-Said-Maghribi escreve, "eles habitam ao norte da terra para a 7ª região, tendo sobre as suas cabeças a constelação do Plough. A terra deles é fria e úmida. Eles são muito alvos em sua complexão, tem os seus olhos azuis, o seu cabelo flui e é predominantemente avermelhado, o porte físico deles é grande e a natureza deles é fria. Seu aspecto geral é selvagem. "



No séc. nono o monge Druthmar da Aquitânia, no seu comentário sobre Mateus 24:14 na Matthaeum Evangelistam em Expositio, afirmou que Gazari ou Khazars habitou "nas terras de Gogue e Magogue." Lendas e histórias abundam, algumas das quais há credibilidade de acordo com o monge da Aquitânia acima citado que se centraliza em torno de Alexandre o Grande e sua tentativa de ajuntar e quarentenar os Khazars do resto do mundo civilizado, devido à sua natureza violenta e bárbara. Mas esta tentativa aparentemente fracassou, Druthmar reclama que eles escaparam. 

Após a conversão do reino dos Khazars para o Judaísmo, o termo "red jew" =judeu vermelho, entrou em uso na superstição medieval dos alemães, que equacionaram seus cabelos e barbas vermelho e a sua natureza violenta com engano e desonestidade. Também é bem documentado que eles cobravam pesados tributos a todos que passassem por suas terras, e ninguém ousava recusar. De acordo com Benjamin H. Freedman, ele próprio um judeu que por longo tempo foi associado e confidente de presidentes e estadistas, em um endereço apresentado em 1961 no Willard Hotel, em Washington, DC, descreveu que os Khazars eram tão violentos e hostis até que finalmente foram expulsos da Ásia e se espalharam entre as nações da Europa Oriental. Heinrich von Neustadt, por volta de 1300, escreveu que eles eram o "aterrador dos povos de Gogue e Magogue."

O território do Bulgares, também conhecidos pela sua lendária ferocidade em batalha, foi conquistado pelo Khazars em 642 dC. Uma parte deles fugiram para a região oeste do Danúbio os Balcãs e formaram o que é agora a moderna Bulgária. Mesmo nos tempos modernos, recorda a história muçulmana os Khazar rusgam e aterrorizam as pessoas que habitam em suas terras. Atualmente eles se referem ao Mar Cáspio, Bahr-ul-Khazar – como "o mar Khazar". Não é difícil determinar alguns dos fatores que motivou a lendária ferocidade dos Khazars na guerra. "Quando o bek [o lider militar Khazar e segundo no comando após o Kagan] enviava parte de sua tropa, eles não retrocediam em nenhuma das circunstâncias. Se fossem derrotados, qualquer um que retornasse era certamente morto. Às vezes eles cerravam cada um deles ao meio e os crucificavam e às vezes eles os travavam pelo pescoço em árvores." Logicamente, parece pouco provável que isso tenha acontecido mais de uma vez, uma vez que essa revelação causa mesmo ao mais forte guerreiro a sensação de que a derrota não vem ao caso, não é uma opção. Essa prática também teria constituído um forte impulso para a lenda da ferocidade dos Khazars, uma vez que, quando confrontados com a escolha de ou vencer a batalha ou enfrentar a pior morte em casa, as opções e as respostas racionais para eles – tornavam-se dolorosamente distintas .

Todos estes fatos, mesclado com a semi-fatual lenda de Alexandre o Grande e suas tentativas de emparedar esses judeus avermelhados e isola-los do restante da humanidade, levou a numerosas mitologias do escape vindouro no final dos tempos, a partir da zona delimitada pelas Montanhas do Cáucaso de Gogue e Magogue. E assim como certas lendas dizem , elas tem a finalidade de cumprir a profecia bíblica da destruição no final do mundo. E mesmo o Islamismo tem essas lendas na sua mitologia.

Em um escrito pelo Imam Ibn Kathir, ele afirma que o profeta Maomé afirmou, "Todo dia, Gogue e Magogue tenta cavar um caminho para escapar da barreira [montanhas do Cáucaso]. Quando eles começam a enxergar a luz solar , aquele que é encarregado lhes diz: ' parem! amanhã vocês podem continuar a cavar! e quando voltam a cavar a barreira esta cada vez mais forte do que era antes. Segundo eles isto irá continuar até o dia determinado pelo Supremo. Como mostraremos em seguida, os muçulmanos da parte do sul do reino Khazaria tinham boas razões para anexar essas legendas aos seus ferozes vizinhos do norte.

No entanto, nenhuma nação pode sobreviver tão longo tempo, não importa o quão poderosa ela é, e os Khazars, não foram uma exceção. Como uma adição vital à sua brutalidade eles eram possessos de uma nativa sabedoria incalculável. Este presciente senso político se tornou evidente em seus encontros diplomáticos com os romanos. O imperador romano Heraclius, em 627, formou uma aliança militar com os Khazars para efeitos de uma derrota final dos persas. Após a primeira reunião do rei Khazar Ziebel, com o Imperador romano, os Khazars apresentaram na integra de sua ostentações, suas habilidades diplomáticas - das competências que lhes serviriam bem a não desaparecem com o seu reino. Ele "com seus nobres desmontaram de seus cavalos", diz Gibbon, "... e caíram prostrados no chão, para adorar a púrpura de César".

Tão encantado ficou o imperador bizantino com esta exibição de reverência que acabou por ofertar, juntamente com muitas riquezas, a sua filha Eudocia em casamento. Esta união nunca se consumou devido à morte de Ziebel, e nesse periodo Eudocia foi para Khazaria. No entanto, após a derrota final dos desígnios do Islamismo no Reino do Norte, em 730 dC, um casamento entre uma princesa Khazar e o herdeiro do Império Romano Bizantino resultou em um filho, que foi o regente Byzantino conhecido como Leo o Khazar. Assim, o "Rei do Norte" habilmente conseguiu instalar-se no trono do Império Romano. Após a derrota dos Persas emergiu um novo e poderoso triângulo, que consiste no "Califado Islâmico, Bizantino cristão e o recém-emergido reino Khazar do Norte. Este caiu pro último lugar ao suportar o peso do ataque árabe em sua fase inicial, e por tentar proteger as planícies da Europa Oriental de seus invasores ".

Devido à sua localização geográfica única no seio da cúspide criado pelo Mar Cáspio e o Mar Negro, em ambos os lados, e as terríveis barreiras empedradas da Montanhas do Cáucaso, ao longo do sul de sua fronteira, a defesa de sua terra foi consideravelmente fácil. Esta situação geográfica, de acordo com historiadores, foi um dos principais fatores na formação da história da Europa Oriental, o continente europeu e, finalmente, do mundo. O Khazars, durante anos, tiveram de se aventurar em direção ao sul, nas suas incursões sobre o saque aos países muçulmanos ao sul do Cáucaso. Agora, na primeira parte do século VII, o Islamismo seguiu em direção ao norte através do mesmo Kasbek Passe que os Khazars tinham usado, e começou uma longa guerra contra o "Reino do Norte."

A tentativa dos grandes exércitos muçulmanos de tomar o controle da Transcaucásia veio em 622, enquanto Maomé ainda era líder Islâmico. Eles conquistaram "Pérsia, Síria, Mesopotâmia, Egito, e cercaram o centro bizantino (a atual Turquia), em um semicírculo, mortal, que se estendia do Mediterrâneo ao sul do Cáucaso e as margens do mar Cáspio". Isto deu inicio a uma longa série de incursões de ambos os lados (Khazaria e muçulmanos) que se prolongou por mais trinta anos. Nestas guerras os árabes eram derrotaram a cada avanço, finalmente terminando em 652 com a morte de quatro mil soldados árabes, incluindo o seu comandante, Abdal-Rahman ibn-Rabiah, levando os exércitos árabes a mais completa ruína. Essa sucessiva incapacidade de atravessar o Cáucaso, tornou logisticamente impossível para os exércitos muçulmanos criarem um sistema eficaz contra o cerco da capital romana em Constantinopla. "Se tivessem sido capazes de flanquear a capital em toda a volta do Cáucaso e do Mar Negro", diz Arthur Koestler, "o destino do Império Romano provavelmente teria sido fechado." Foi esta situação fortuita, juntamente com as barreiras militares apresentada pelos Khazars , que impediu a Europa de ser totalmente dominada pela lua crescente do Islã e de criar uma história muito diferente da que hoje conhecemos.

Após a expulsão dos árabes do território Khazar, o reino começou a guerrear mais por obtenção de territórios do que por outras finalidades", incorporando as pessoas conquistadas em um império com uma administração estável, governado pelo poderoso Kagan [título dado ao rei Khazar, às vezes soletrado Khagan], que designou seu governadores provinciais para administrar e cobrar impostos nos territórios conquistado. No início do oitavo século seu estado estava suficientemente consolidado para o Khazars tomarem ofensiva contra os árabes" e não se limitar apenas a defender-se contra os ataques muçulmanos. Houve um breve período de incursão de muçulmanos na Khazaria onde o califa Marwin II, em uma surpresa, verteu dois ataques, que levou os Khazars de volta em suas próprias terras tão distante, na região do Volga. Só haveria acordo de paz se os Kagan se convertessem para a fé verdadeira, o Islamismo - com o qual o rei Khazar concordou, mas aparentemente só até o tempo suficiente para o califa muçulmano retirar todos do Cáucaso. Este incidente precedeu apenas alguns anos, antes dos monarcas Khazars se converterem para o Judaísmo.

A maioria dos historiadores concorda que a motivação por trás da retirada do Califa era porque os governante muçulmano aparentemente perceberam que, ao contrário dos mais civilizados persas, arménios e georgianos, os bárbaros Khazars não poderiam ser mantidos sob regime militar a tal distância. Como mencionado anteriormente, a maioria dos históricos credenciam Charles Martel e seus Francos por salvar a Europa do Islã. Esta versão nglicanizada da história, seja por ignorância ou desígnio, considera o fato de que a defesa Franco da Europa Ocidental teria sido fútil não fosse os Khazars interromperem o ataque muçulmana ao leste.

O surpreendente resultado de toda esta história é que o reino Khazar pôde, finalmente, erguer e tirar um imperador do trono de um dos mais poderoso reino sobre a face da terra, o Império romano / Bizantino. Isso, aparentemente, era só o começo, embora os registros da antiguidade, até recentemente, em grande parte perderam de vista este historicamente obscuro e imensamente influente povo.

É interessante notar que a lendária ferocidade dos Khazars revela novamente sua natureza brotante como negociadores e políticos consumados, um talento que intensificou-se cada vez mais no âmbito Talmudico Judaíco. No livro Décima Terceira Tribo, Koestler fala do imperador bizantino, Theodosius II, que tinha a intenção de assegurar a amizade com esta raça guerreira", mas o ganancioso Khazar chefe, chamado Karidach, considerou o suborno oferecido a ele inadequado, e se uniu aos hunos. Átila derrotou o chefe rival Karidach, e o instalou como o único governante da Akatzirs [nome dado a um "Khazar branco"], e convidou-o a visitar o seu tribunal. Karidach agradeceu a ele profundamente o convite, e disse que seria muito difícil a um homem mortal olhar a face de um deus. Pois, assim como nenhum mortal pode olhar para o sol, muito menos poder olhar para o rosto de um deus sem sofrer maiores danos. "Átila deve ter se sentido muito honrado, pois ele confirmou Karidach no seu reino".

A morte de Átila o huno, contudo, contribuiu para a queda do império Hunnico e deixou um vácuo no poder na Europa Oriental que foi eventualmente preenchido pelos Khazars. Em seguida, começaram a subjugar todas as outras tribos ao redor, que logo após a derrota, os Khazars as engoliam, historicamente falando. essas tribos praticamente não eram nem sequer mencionadas em posteriores contos históricos. O momento mais difícil para eles em suas conquistas foi por parte dos Bulgares, que foram "crucialmente derrotados" por volta de 641 dC, com uma grande migração em direção oeste do Danúbio e como mencionado anteriormente, finalmente, estabelece o que é agora a moderna Bulgária.
  • A CONVERSÃO DO REINO KHAZARS PARA JUDAISMO.

"Uma nação guerreira de origem judeus-turcos deve ter parecido aos rabinos [ocidentais] tão estranho como um unicórnio circumcisado. "A. Koestler De acordo com Benjamin Freedman "a conversão dos khazars ao judaísmo foi primeiramente precipitada pelo versão do monarca com relação ao clima moral em que seu reino estava se decaindo. Freedman alega, e outros historiadores confirmam, que os Khazars "primitivos" eram extremamente empenhadas em formas imorais de práticas religiosas, entre elas o culto fálico. Sacrifícios de animais também eram incluídos em seus ritos.

A estrutura religiosa dos Khazars era centrada em torno de uma prática conhecida como xamanismo Tengri, que incorpora o culto, adoração aos espíritos e ao céu, bem como zoolatria, o culto aos animais. Tengri é também o nome do deus imortal deles que dizem ter criado o mundo", e o primeiro animal sacrifícado a esta divindade foram os cavalos. O atual mecanismo da mudança do reino Khazar para o Judaísmo foi finalmente, (a maior parte dos historiadores concorda), muito bem pensado - a partir de uma perspectiva humanista, - e não aleatória e caprichosa como alguns acreditam. De acordo com George Vernadski, em seu livro A História da Rússia, em 860 dC uma delegação de Khazars foi enviada para Constantinopla (hoje conhecida como Istambul), que foi então o que restou da antiga capital do antigo Império Romano que virou cristão sob o Imperador Constantino. Sua mensagem foi: Desde tempo imemoriais sempre tivemos conhecimento do senhor deus“ [referindo-se aqui a Tengri] e agora os judeus estão nos obrigando a aceitar a sua religião e costumes, e os árabes, por sua parte, nos convidam a aceitar a sua crença, prometendo paz e muitos presentes. Isto em todas as suas implicações, obviamente, teve a finalidade de estabelecer um dialogo entre o Império Romano (cristianismo) e as grandes religiões monoteístas. Brook observa que "esta declaração revela que os judeus ativamente procuravam convertidos em Khazaria em 860." Ele também acrescenta que "no ano 860, [Christão] Santo Cyril e Methodius foram enviados como missionários aos Khazars pelo imperador bizantino Michael III desde que os Khazars haviam solicitado que um cristão erudito viesse a Khazaria para debater com os judeus e os muçulmanos ".

Na medida em que o mundo raramente (ou talvez nunca) tenha testemunhado qualquer cultura de pessoas mais versado na arte religiosa do debate do que os Rabinos judeus, a conversão dos Khazars para o judaismo Talmudico não é um resultado surpreendente, uma vez que tal fórum era para ser o fator decisivo na determinação da sua escolha, ao invés de meramente espiritual percepções. O resultado ficou ainda mais garantido pelo fato de que o representante do cristianismo nesse debate veio de uma igreja no último ano formativo do Santo Império Romano, numa época em que sensibilidade espiritual tinha-se tornado algo raro ou quase extinto.

Foi nesse período de tempo (cerca 740 dC) que o Rei Bulan da Khazaria converteu-se ao judaísmo. No debate entre um mullah islâmico, um sacerdote cristão e um rabino judeu, cada um apresentou ao rei as vantagens e as verdades dos preceitos da sua crença. Este rei, no entanto, de acordo com alguns historiadores, tinha a sua própria lógica para determinar o que ele deveria abraçar. Ele pediu que cada representante, por sua vez, esclarecesse qual dentre as outras duas religiões cada qual considerava superior.

E como resultado os muçulmanos indicaram que o judaísmo prevalecia ao cristianismo, e o sacerdote cristão optou pelo judaísmo ao invés do Islamismo. O rei então concluiu que o Judaísmo, era o alicerce sobre o qual as outras religiões monoteístas tinham sido construídas, e esta então seria a religião que ele e os seus súditos deveriam abraçar. Os Khazars, propriamente, por serem monoteístas, aparentemente manifestaram reservas quanto à natureza politeísta da doutrina cristã com relação a Trindade. De modo a não excluir a Islâmica destes acontecimentos, o seguinte é tomado por DM Dunlop de al-Bakri do século XI do Livro Reinos e Estradas“:
"A razão para a conversão do rei do Khazars, que anteriormente era pagão, para o Judaísmo é a seguinte: Primeiro ele optou pelo Cristianismo. Então, ele reconheceu os erros dessa sua crença, e comunicou a um de seus governadores o que estava preocupando-o.
 
O outro disse-lhe, ó rei, os adeptos do Livro formam três classes. Convide-os e questione, então siga o que está em posse da verdade. Então, ele recebeu enviado por parte dos cristãos um bispo. E também um judeu qualificado, que ia entrar em debate com o bispo. O judeu perguntou ao cristão:“ O que você tem a dizer sobre Moisés, filho de Amram, e da Tora, que foi revelada a ele“? Ao que o cristão respondeu : Moisés é um profeta e a Torá é verdade. Então o judeu disse ao rei. Ele admitiu que o meu credo representa a verdade. Pergunte a ele agora no que ele acredita. Então o rei perguntou-lhe e ele respondeu, eu digo que o Messias Jesus, filho de Maria, é a Palavra, e que ele deu a conhecer os mistérios em nome do Eterno. Então o judeu disse ao rei do Khazars, Ele professa uma doutrina que eu não conheço, embora seja baseado naquilo que foi estabelecido por mim. E por o bispo não ter demonstrado tamanha firmeza em seu credo, o Khazar então, resolveu consultar os muçulmanos, e eles enviaram-lhe um homem inteligente e bastante conhecedor de seu credo, capaz de participar numa disputa. Mas o judeu contratou alguém que o envenenou a caminho, e ele morreu. E assim o judeu foi capaz de convencer o rei a aceitar a sua religião." Koestler apresenta uma alternativa interessante para este ponto de vista. Sua posição foi a de que a conversão do rei era essencialmente uma decisão política.

"No início do oitavo século", ele escreve: o mundo estava polarizado entre os dois superpoderes representativos do cristianismo e do islamismo. Suas doutrinas ideológicas eram soldadas ao poder político prosseguida pelo métodos clássicos de propaganda, subversão e conquista militar".
Pode-se observar aqui que é bastante evidente que o cristianismo moderno tem aprendido bem esta mesma forma de estadismo (propaganda, subversão e conquista militar), na medida em que eles rasgaram a página que conta diretamente a história dos fiéis dos primeiros milênio.

"O Império Khazar representou uma terceira força", Koestler continua ", que revelou ser igual a qualquer um deles, tanto como adversário ou como aliado. Mas ele só poderia manter a sua independência, se não aceitasse nem cristianismo nem Islamismo - pois seja lá qual fosse a sua escolha eles seriam automaticamente subordinados à autoridade do Imperador romano ou ao califa de Bagdá."

Apesar do Islã ou cristianismo não ter feito grandes esforços para converter o Khazars às suas respectivas religiões, que resultou em nada menos do que um intercâmbio de políticas e cortesias dinásticas (ou seja, acordos de casamentos e alianças militares, etc.) Ficou claro que o Khazars estavam determinados a preservar a sua supremacia como uma "terceira força" mundial e líder incontestável dos países e povos tribais da Transcaucásia. Eles perceberam que a adoção de uma das grandes religiões monoteístas que conferem aos seus monarcas benefício de ambas as partes e a autoridade judiciária, beneficio este que o seu sistema xamanista não podia oferecer e que claramente beneficiavam os governantes desses outros dois poderes.

JB Bury concorda: "Não pode haver nenhuma causa", diz ele, "acionada aos governantes por motivos políticos na adoção do Judaísmo. Abraçar o muçulmanismo na opinião dele iria fazer dos khazars um dependente espiritual do Caliphado, que tentou pressionar a sua fé aos Khazars, ao cristianismo e estabelecer o risco de se tornar um eclesiástico vassalo do Império Romano. judaísmo era uma religião respeitável com livros sagrados que ambos cristãos e Muçulmanos respeitavam, isto os mantinha em posição superior a dos pagãos bárbaros e os assegurava contra a interferência do califa ou do Imperador."

Pouco importa quais foram os mecânicos que levaram a conversão do reino Khazar para o Judaísmo. O que importa é que isto aconteceu e isso soa como um clamor tão forte na história e que ressoa até hoje.

"A crença dos hebreus", escreve John Bury, "tinha exercido uma influência profunda sobre a religião do Islã, e que tinha sido uma base para o Cristianismo, e fez vários prosélitos dispersos por toda a parte, mas a conversão do Khazars à religião não diluída de YAH é único na história. É, de facto, um acontecimento histórico único, como Bury mesmo alega, no entanto, também é interessante notar que ele deveria referir-se a conversão deles ao judaísmo Talmudico e não "a religião não diluída de YAH."

É evidente que nos dias de hoje judeus etíopes discordam do Sr. Bury sobre este assunto, uma vez que eles não aderem aos preceitos do Talmude, Mishnah, Midrasha ou a qualquer dos extra-textos bíblicos que têm surgido desde o final canonico do Antigo Testamento. 

Estes judeus(hebreus) da África do Norte alegam apenas como autoridade escritural a Torá, ao contrário dos seus distantes "irmãos" do Talmud, que praticam a sua religião e mesmo eles silenciam com relação ao envolvimento na política mundana.

De acordo com um documento muito antigo intitulado resposta do rei Joseph a Hasdai ibn Shaprut, Joseph (um Khazar que mais tarde se tornou rei) afirmou que, "Daquele momento em diante „deus“ ajudou-o [Rei Bulan] e o fortaleceu . Ele e os seus próprios escravos circuncisaram -se e a eles foram enviados homens sábios de Israel que interpretaram a Torá para eles e dispuseram os preceitos em ordem“


Koestler acrescenta uma nota de rodapé da genealogia do rei Joseph que é relevante para o presente estudo:
"Ele também traça uma freqüente descrição do Khazars com o povo de Magogue. Magogue, de acordo com o Gênesis 10:2-3 era um tio de Togarma ".

Juntando isto aos outros dois dos filhos de Japheth, os progenitores dos Khazars, que são Meshech e Tubal, temos então as figuras centrais da profecias bíblicas do fim dos tempos.

Rei Joseph revelou também que o sucessor do Rei Bulan, seu filho Obadiah ", reorganizou o reino e estabeleceu a religião [judaismo] „adequada e correctamente", convidando numerosos sábios judeus que "explicaram a ele os vinte e quatro livros [a Torá ], Mishnah, Talmud, e o despacho de orações. " Quaisquer que sejam os mecanismos religiosos (e / ou chicanice) que foi posto em marcha para realizar a tarefa, é facto historicamente inegável que o rei era realmente Khazar convertidos para Judaísmo Talmudico. E as consequências do temporal dessa conversão tem baixos degraus ao longo da história assim como um pervertido e distorcido sino, respondendo claramente às declarações proféticas dos últimos dias da história na Terra.
 

Fica portanto claro e evidente que o judeus não são os verdadeiros Yisraelitas descendentes de Avraham...


Que o Eterno nos conduza ao pleno conhecimento dEle!
Baruch Ha-Shem Yah! 

 




Nenhum comentário:

Postar um comentário

Esse é o espaço em que você interage seus pensamentos.